Ricardo Coiro

Vive entre o soco e o sopro. Morre de medo do morno e odeia caminhar em cima do muro. Acha que sensibilidade é coisa de macho e que estupidez é atitude de frouxo. Nunca recusou um temaki ou um café. Peca todo dia. Autor do livro Confissões de um Cafamântico.

Confira 104 posts de Ricardo Coiro

Brincar é preciso!

Brincar é preciso!

Um avião caiu em meio aos Alpes franceses. Cento e cinquenta pessoas morreram. Merda, merda, merda… O que dizer além de “merda”? A morte, […]

Achava que bastava café amargo

Achava que bastava café amargo

Achava que, depois daquele infindável inverno, as coisas finalmente voltariam ao normal e que aquele imenso galho seco, retorcido e cabisbaixo, seria enfim recoberto pela cor das […]

Não tenha medo da luz acesa

Não tenha medo da luz acesa

Você saiu da banheira de forma abrupta, de maneira acrobática aplicou um giro rápido de cento e oitenta graus e dirigiu-se ao banheiro fazendo […]

Paulo André, o seu PA

Paulo André, o seu PA

Meu nome é Paulo André, mas eu gosto mesmo é de ser chamado de “PA”. Por quê? Porque além do motivo óbvio, ou seja, […]